domingo, 12 de outubro de 2014

Qual é o nome dela?




Eu encaro as perninhas dela pendendo pra fora do colo de seu pai.
As dobrinhas sobressaindo,
as mãozinhas com aquelas marcas típicas de bebê.
Ela sorri.
Eu ando até minha mesa, sento, e começo a degustar meu jantar.
Olho pro lado e lá está ela, me encarando com os olhos gigantes, atentos.
Ela mal consegue caminhar, o equilíbrio falha.
Cai com o bumbum no chão.
Levanta rápido e continua me olhando.
Eu sou uma total desconhecida, mas posso ver tanta segurança naqueles olhos.
Seu pai a chama e ela se nega a olhar para trás.
Está disposta a me encarar desinibidamente.
Então se aproxima, com os passos desajustados,
coloca as mãozinhas na cadeira ao meu lado
e balbucia alguma tentativa de conversa.
Abro um sorriso largo e ela me devolve outro.
"Olá, bebê", digo, aproximando minha mão da dela.
Temo que ela se assuste e vá embora,
mas, ela parece determinada em ficar ali,
fixando seus olhos nos meus de forma profunda.
O pai se aproxima e a chama.
"Qual é o nome dela?", pergunto.
"Ana", ele diz enquanto tenta traze-la pra perto.
"Oi, Ana", eu digo.
Ela pendura as mãos na mesa,
tenta dizer algo novamente,
mas não sou capaz de entender.
Não sei falar a língua dos bebês,
só sei que Ana insiste em permanecer ao meu lado,
sorrindo,
feliz,
como se me conhecesse há tempos.
E o meu coração se enche de ternura,
enquanto penso que é uma bela maneira
para se terminar o dia das crianças.

Um comentário:

Bia Hain disse...

Olá, Laís! Amei seu texto e a música complementou brilhantemente. Um abraço!