sábado, 18 de maio de 2013

Ele usa você.


Como se fosse descartável, um copo de plástico, dispensável. Vai jogar-te fora cedo ou tarde... Cedo. É bem provável que não demore muito. Afinal, ele não tem saco pra te aguentar. Rolou uma história de que você é sinônimo de repulsa. Pensei: que desprezível. Como ousa? 

Mas ousa, fala e faz... Faz você de idiota. Te exibe por aí, e enquanto você pensa que é para todos ficarem sabendo que estão juntos, ele só tenta causar ciúmes em algum ex relacionamento que seus olhos apaixonados recusam-se a enxergar.

É, já dizia o ditado: o que os olhos não vêem, o coração não sente.
Tudo bem que está na cara, oh meu Deus, como está! Mas se o amor lhe cegou, o que posso fazer?

Um comentário:

Bia Hain disse...

Oi, Laís. É muito estranho quando a gente se sente como uma espécie de troféu, não de objeto amado. Mas e o amor, que nem usa óculos? Um abraço!