segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Texto em forma de agradecimento e conversa.


Começo essa postagem pedindo desculpas por não tê-la feito antes. Primeiro foi a faculdade e o trabalho que consumiram meu tempo, e depois, quando finalmente entrei de férias, acabei repondo tanto sono perdido e escrito tanta coisa que havia deixado de lado, que acabei não aparecendo aqui para fazer isso.

Agora posso contar do que esse texto se trata:

Estou escrevendo para agradecer imensamente por todas as cartinhas que recebi dos alunos do Ensino Médio (1ºA, 1ºB e 1º C) da Escola Esmeralda Milane Maroni de Birigui, que leram alguns dos meus textos nas aulas de Português da minha tia.

Vou aproveitar o espaço para responder algumas das perguntas espalhadas pelas cartas. Muitas delas questionavam sobre onde arrumo inspiração para escrever meus textos; E, bom, a verdade é que nem tudo que escrevo aconteceu realmente... Muita coisa eu crio, outras aparecem em sonhos no meio da noite, e uma boa parte delas é real, claro. Eu tenho um amigo que me disse uma vez assim: É impressionante como você consegue transformar os acontecimentos em algo mais intenso do que eles realmente foram, ou como seus textos fazem as pessoas parecerem mais interessantes do que elas realmente são.

Sempre me lembro dessa observação e gosto dela. Acho que ele tem razão. Tenho mania de observar as pessoas a minha volta e descrevê-las de uma forma atenta, minimalista, e muitas vezes nostálgica, como se eu pudesse eternizá-las para nunca sentir tanto a falta.

Também gosto de descrever lugares, mas sou péssima para lembrar a cor das coisas. Sou boa com ordem cronológica. Posso contar perfeitamente o itinerário inteiro da minha última viagem, mas não consigo lembrar a cor do muro do lugar onde trabalho há um ano.

Alguns ainda me perguntaram sobre os tipos de histórias e os autores que costumo ler. Na verdade, limito muito minha leitura a romances e algumas histórias policias. Nunca gostei de livro didático, porém não descarto sua importância. Se me serve de argumento, quando eu tinha uns doze anos, ouvi um palestrante dizer: não importa o quê você vai ler, desde que leia. É preciso encontrar seu gênero na leitura e se apaixonar por ele.

Acho que segui isso a risca e acabei encontrando o meu. Nem me atrevo a ler coisas que não descem pelos meus olhos. Se eu tento, paro da terceira página. Já os livros de romance que vou adquirindo, eu praticamente devoro. E posso dizer que isso dá resultado... Desde quando comecei a ser uma leitora fiel do meu gênero predileto, minha escrita melhorou espantosamente. Porque apesar d’eu sempre ter sido bem criativa com histórias e minha matéria favorita desde o fundamental ser “Redação”, eu era uma negação com a gramática. E bom, agora estou aí, tentando evoluir e melhorar.

Por falar nisso, muitos perguntaram sobre o meu “histórico” como escritora. No momento, eu tenho dedicado meus dias ao meu trabalho (em um centro de atendimento infantil) e também a minha faculdade (penúltimo semestre de Publicidade e Propaganda), então tenho escrito bem pouco e armazenei muito texto parado, infelizmente. Algum tempo atrás, ganhei dois concursos literários (com um conto publicado em um deles), mas por enquanto não tenho nenhum livro todinho meu publicado. Isso é realmente uma meta – sonho - para um futuro não tão distante. Já tenho o meu romance aqui, bem guardadinho, com as suas oitenta e poucas páginas, mas ainda tem chão até eu terminá-lo. Quando estiver, espero que vocês possam ler e que gostem tanto quanto eu.

(...)

Ah! Encontrei algumas observações nas cartas sugerindo para que eu colocasse meus contatos aqui no blog e coisas do tipo. Antigamente eles até ficavam por aqui, mas em alguma das minhas mudanças de layout acabei excluindo-os.

O link da página "Cada Segundo Vale" no Facebook fica aqui ao lado ---> e vocês podem curtir se quiserem.

Mas, vou deixar meu facebook aqui: https://www.facebook.com/lais.sandrigo, caso queiram adicionar para conversarmos por lá. Será uma honra conhecer melhor vocês e agradecer individualmente pela cartinha, atenção e carinho. Eu fiquei imensamente feliz, e cada palavra significa muito pra mim, desde os elogios às sugestões e críticas.

Quero agradecer também à minha tia Rosa por realizar esse trabalho com vocês, incentivando a leitura e mostrando um pouco do que tanto amo fazer. Devo muitas coisas do que aprendi a ela, que é uma ótima profissional e sempre me apoia com os textos, lendo-os, corrigindo-os e aperfeiçoando-os.

Mais uma vez, obrigada por se expressarem e me contarem um pouco sobre vocês!
                                                                      Até mais, 


4 comentários:

Dayane disse...

Adorei saber um pouquinho mais sobre você e como você faz os textos, observar é a melhor coisa que tem né, a gente ver cada coisa com a observação, que se não prestasse atenção nem perceberia.
Beijinhos
Instagram
Facebook do blog
conversando-com-a-lua.blogspot.com.br

Roberta disse...

Muito bacana seu blog, obrigada pela visita estarei te acompanhando aqui, já estou seguindo.
Beijos e sucesso.

Blog Mudei Modei disse...

Queria ter essa característica de ser observadora. Admiro muito que a tem!

E sua tia tá de parabéns pelo apoio e incentivo. Adorei isso!

Beijo e sucesso!

Skyline Spirit disse...

pretty nice blog, following :)