quarta-feira, 30 de março de 2016

Se você gostasse de mim, eu saberia.

Já se passaram cinco horas (talvez mais) da última mensagem que você me mandou. Não lembro o assunto e agora, não faço questão de lembrar. Também não estou surtando, muito menos contando o tempo, mas sou péssima pra ignorar os fatos. Porque, de repente, bate uma tristeza e sou obrigada a correr para os conselhos do meu melhor amigo, na janelinha do Facebook. Ele é rápido e raramente me faz esperar pra ter uma simples conversa. Eu sei que ele tem mais o que fazer e eu também tenho, mesmo assim, encontramos tempo um pro outro.

E com toda a calma que eu não possuo, ele faz questão de enfatizar que você deve estar muito ocupado, claro. Mas ele acha mesmo que não desenterrei hipóteses antes de procura-lo? Eu sei que você pode estar tomando banho, comendo, saindo com os amigos... ou, quem sabe, até salvando o país do governo corrupto, naquelas passeatas no centro da cidade... Só me diz, então, porque diabos sua janelinha continua mostrando um 'online' que estraçalha minha esperança? Tá lá. Verdinho. E fica difícil raciocinar assim.

"Se você gosta dele,
pergunta se ele gosta de você também."

Meu amigo diz com a maior simplicidade do mundo, enchendo meu peito de sinceras saudades de quando eu estava na quinta série e trocava bilhetinhos pra saber se o garoto gostava mesmo de mim. Dessa vez, é diferente. Eu não preciso perguntar, porque sei. Se você gostasse de mim, teria uma mensagem em algum canto das minhas redes sociais, onde você perguntaria como foi o meu dia. Teria uma chamada sua perdida no meu telefone. Teria um convite, que nunca chega. Teria a coragem que você não cria. Se você gostasse de mim, teria uma surpresa me esperando sem motivo aparente. Teria algum amigo meu dizendo que você tem falado de mim por aí. Porque gostar de alguém é exatamente assim, não dá pra esconder e a gente deixa extravasar nos gestos.

Mas o que tenho pra hoje é um silêncio profundo, latente, desgastante. Dividindo espaço com uma  das canções dramáticas que descobri recentemente pelo youtube que, aliás, vem servindo de trilha sonora  p'ros meus momentos confusos e solitários. Exatamente esses, nos quais fica fácil perceber que se você gostasse de mim... Ah... Esses momentos nem existiriam!


Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/